Scheler e Freud: Atrito do conhecimento

 

Artur Júnior dos Santos Lopes 

INTRODUÇÃO

“A civilização humana, expressão pela qual quero significar tudo aquilo em que a vida humana se elevou acima de sua condição animal e difere da vida dos animais – e desprezo ter que distinguir entre cultura e civilização -, apresenta, como sabemos, dois aspectos ao observador.” (Freud, pág. 10)

Neste trabalho pretendo apresentar de uma forma sucinta o atrito do conhecimento produzido por Max Scheler e Freud. Tenho consciência de que neste momento apenas poderei apresentar uma parca apreciação das idéias de cada um e talvez alguns pontos comuns entre estes dois expoentes da intelectualidade humana.

O problema que gostaria de abordar é: Como justificar um espírito sem força na teoria de Scheler? Como pode tal espírito apresentar qualquer valor a volição humana? Onde reside tal espírito e o que pode querer?

1.    APRESENTAÇÃO DOS PONTOS

Aqui pretendo uma rápida abordagem sobre a visão de cada um dos autores. Primeiro colocarei como Scheler percebe o Espírito e a sua refutação das doutrinas negativas. Em outro ponto apresentarei como Freud percebe a repressão do instinto e como podemos perceber a relação com o Espírito de Scheler.

Quero perceber a diferença de abordagem entre os autores e buscar os pontos convergentes destas duas doutrinas, seus pontos fortes e onde precisam ser melhor trabalhados.

1.1.       SCHELER

Em Scheler podemos perceber a procura pela apresentação de um espírito que é parte da essência humana e que por isso traz uma diferenciação radical do animal. Scheler apresenta um espírito que busca apresentar idéias para a volição humana. Idéias estas que em geral contrariam os instintos. Amainam o ser humano para que seja possível o contato social.

Scheler credita ao espírito a capacidade de transcender as necessidades humanas e apresentar valores diferentes dos valores animais. O espírito em Scheler não tem força, é apenas uma centelha que apresenta ao animal outras possibilidades de escolhas que não apenas as da pulsão vital. Valores como a solidariedade, a amizade, o respeito, nos parecem exemplos de tais valores espirituais.

Neste ponto precisamos concordar com Scheler. Contudo sua teoria apresenta problemas. Sendo tão frágil e tão volátil o espírito nos aparece uma questão: Onde reside este espírito? Se é tão imaterial onde ele existe?

1.2.       FREUD

Por sua vez Freud nos apresenta um posicionamento exato deste mecanismo humano e psicológico que freia o impulso animal. Na teoria freudiana percebe-se o Super Ego como parte da estrutura psíquica responsável por coibir a plena expressão do ID pelo Ego. Ficando assim frustrada uma das principais tarefas do Ego: a de ser o Executivo do ID. Aqui temos um posicionamento bastante claro do que e onde está o que refreia o animal humano. Freud nos apresenta um aprofundamento muito sério e minucioso das complexas estruturas inconscientes que fazem do ser humano ser o que é.

Mas esta apresentação, dizer onde está é suficiente? Parece que não. Existem muitas perguntas aqui que ficam sem resposta. Por exemplo: Como surge a divisão entre estas três porções da psique humana. ID, Ego e Superego? Por que surge tal divisão? Neste ponto Freud fica sem uma resposta.

2.    O DIÁLOGO SCHELER-FREUD

Percebo aqui a possibilidade de diálogo entre os dois intelectuais. Scheler tem dificuldades em radicar os espírito, mas é muito feliz ao mostrar onde se dá a ruptura entre a pulsão vital e a sua repressão. Por sua vez, Freud consegue localizar muito bem as estruturas pulsionais e de repressão existentes no ser humano. Mas não consegue satisfatoriamente colocar como exatamente estas estruturas se formam. Não consegue responder: como se fragmenta o ser humano

CONCLUSÃO

Pude depreender que a junção e a busca do posicionamento do espírito e a formação da ruptura entre a pulsão vital e a repressão instintual, antes de serem antagônicas se mostram complementares.

O assunto é controverso e polemico e poderia gerar uma aprofundamento muito maior, mas neste momento parece ser muito produtivo apresentá-lo e dedicar maior esforço na coleta de informações e materiais.

BIBLIOGRAFIA

FREUD, Sigmund. The Future of an Illusion, 1928 Londres: Hogarth Press e Instituto de Psicanálise. 98 págs. (Trad. de W.D. Robson-Scott.).

SCHELER, Max. A posição do Homem no Cosmos. Editora Forense Universitária, Rio de Janeiro, 2003, 123págs.

Porto Alegre, 01 de Dezembro de 2008.

Anúncios

Sobre Artur Lopes

philosopher, musician, lover, freind, human Ver todos os artigos de Artur Lopes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: